Depois de analisar os planetas “pessoais” (Sol, Lua, Mercúrio, Vênus e Marte), assim chamados porque são os que mais directamente se relacionam com as funções psíquicas básicas do indivíduo, Júpiter e Saturno formam a dupla de planetas chamados “sociais”. O seu movimento através do Zodíaco já não é tão rápido como o dos planetas pessoais, mas sua influência no destino individual e social da pessoa, continua a ser importante.
Júpiter representa as “reservas” do indivíduo, o dinheiro que se tem. Está associada com a abundância, expansão, as conquistas e também os excessos. Onde está Júpiter se dá “muito”, “há muito”. Está associada com os privilégios, as recomendações e algum tipo de poder (relacionado com o dinheiro). Representa o crescimento, o desenvolvimento e o aumento. Dá, bem configurado, riqueza, abundância e bem-estar, bem como uma grande honestidade e senso de justiça. Se não estiver, dá brilho, hipocrisia, desperdício, amor à vida fácil e o jogo, falência e infortúnio (por querer viver em um nível mais alto do que pode).
A partir de um ponto de vista mais transcendental, Júpiter indica-nos como um procura a espiritualidade, através de que coisas e assuntos. Aponta como são os deuses em que acredita, como é o esquema, a montagem espiritual interior de cada pessoa.